MENU

Repetindo: A Cura: Episódio III

Por Ironia do destino o outro post sumiu e não aceitava comentários. Justo um dos mais importantes. Vou insistir!

Conforme havia dito ontem, quando falava do curso que ministrei para uma turma especial eu me referia mais uma vez ao meu pai que dessa vez foi meu aluno. Foi uma experiência profunda para mim. Mais um episódio dessa reaproximação que ainda se encontra em curso.

No início entrei em sala de aula tenso. Me senti um tanto quanto envergonhado pois ele nunca havia acompanhado de tão perto o meu trabalho como fotógrafo e professor. Tanto ele quanto eu não imaginávamos o que estava por vir (assim imagino). Acho que só há pouco tempo ele ficou sabendo que eu dou aula.

Todo filho busca a aprovação e aceitação dos pais. Atenção pais, anotem a dica! Começa cedo quando o filho ainda criança faz uma cambalhota na piscina e grita, paieeeeeeeê…..olha só o que eu faço! Viu pai como eu sou forte? Pois é. Essa vontade eu senti ontem, após a aula, de perguntar a ele se tinha orgulho de ser meu pai, se tinha gostado da aula, se eu o deixara decepcionado. Foram os dois dias mais longos da minha jornada até então!

Bem, nos primeiros minutos de aula eu fiquei um pouco tenso. A turma se apresentou, ele também. Não contei a ninguém que ele era meu pai, preferia acreditar que era mais um aluno pois não queria estragar nada. Estava com medo, poderia colocar tudo a perder.  Com o passar do tempo fui falando, expus minhas idéias e e a aula fluiu. Depois de um tempo me soltei e quase me esqueci de sua presença em sala de aula. As vezes lembrava rapidamente mas logo voltava para o foco que era o assunto fotografia de casamento. Durante o curso via que ele estava curtindo e isso me deixou mais calmo. Para minha alegria recebi o comentário do Sr. JF hoje que diz o seguinte:

” Vinícius
Foram dois dias de curso muito agradáveis.
Certamente não serei fotógrafo de casamento, porque já tenho uma profissão estabilizada, que absorve todo o meu tempo, além de exigir muita responsabilidade. Continuarei como amador, porém, um pouco melhor. Ao voltar para meu serviço encontrei a mesa cheia de trabalho acumulado, mas , valeu a pena! Foi aprendizado e também terapia.
Além de aprender o que você tão bem nos ensinou, de aprender detalhes técnicos com os simpáticos e amigáveis profissionais que participaram do curso, de conviver bem e trocar dicas com os colegas e os citados profissionais que vieram de diversas cidades do interior de Minas e de outros estados, tive a oportunidade de conhecer e de apreciar de perto seu trabalho.

Fiquei surpreso com sua didática, com o seu conhecimento e com a sua competência. É sinal que você tem estudado e praticado bastante. Ao voltar para casa, na noite do primeiro dia de aula, a primeira coisa que disse para sua mãe foi que estava orgulhoso de você. Ensinou muito bem, explicou com segurança, não escondeu nada do que tem aprendido, pelo contrário, foi muito transparente e “abriu o jogo”. Se a turma ficou calada foi porque ficou magnetizada absorvendo e ruminando tanta coisa boa e interessante que você nos ofereceu.
Quem ensina é o que mais aprende, e quem dá muito é o que mais recebe. Isto é um princípio espiritual, é a lei do retorno ou de causa e efeito.
Quanto à minha avaliação, dei 9 porque 10 é a meta, é a perfeição, e perfeição é sempre procurada, mas nunca alcançada e deve ser buscada por toda a vida. Nosso lema deve ser: hoje melhor do que ontem e amanhâ melhor do que hoje!
Fiquei também muito feliz ao escutar de alguns colegas que gostaram muito do curso, que valeu a pena, e que voltarão à sua escola para reciclagem e aprimoramento.
Que Deus abençoe a você, à Escola de Imagem e a todos que nela trabalham.

Seu pai e seu aluno, talvez aplicado.

João Flávio de Matos”

Acho que tenho direito a réplica. Afinal o blog é meu né?

Meu pai,

Obrigado pelas palavras que me servem de incentivo. Sei do seu grau de exigência. Conheço todo esse detalhismo. O seu comentário para mim é uma medalha agora estampada no peito. É como se eu chegasse do outro lado de um deserto e matasse minha sede após anos debaixo de sol causticante. (preparem-se, hoje estou inspirado gente). O senhor sempre quis que eu fosse uma pessoa aplicada, alguém que corresse atrás ou talvez na frente para ser um bom profissional e para servir as pessoas através do meu trabalho. Esse foi o conceito de trabalho que você me passou desde pequeno. Foi esse o exemplo que sempre tive também da minha querida mãe que não é muito citada por aqui mas que têm todo o meu amor.

Sempre tive medo de te decepcionar. Por muitas vezes senti que o fiz e aqui te peço perdão pelos dias que não te escutei ou que me rebelei.  Na verdade muitas vezes te ouvia mas não queria dar o braço a torcer. Isso ainda acontece, não vou negar.  Quando resolvi mudar a minha vida profissional senti muita dor e medo. Quem está de fora acha que foi tudo muito fácil, não foi!  Ficava indeciso e sabia que não tinha seu apoio explícito. Na sua cabeça eu poderia me dar mal. Sim, eu poderia e ainda posso e  nenhum pai quer o pior para o filho, hoje sei disso muito bem.

Fico feliz de saber que de alguma forma você se orgulha de mim. Lembro de algumas palavras que me foram ditas quando eu era criança: que eu ainda ia te dar muita alegria. Você falava isso para minha mãe. Por um bom tempo parou de falar, eu sei. Hoje ela me ligou dizendo que você estava orgulhoso de mim e agora vc me presenteia com um depoimento que vai marcar um momento tão importante da minha vida.

Obrigado pai! Que essa nossa estória sirva para que as pessoas não demorem tanto tempo a se aproximarem daqueles que as cercam. A vida é curta para perdermos tempo.

Beijo no coração do seu professor (mesmo que só por dois dias)

Vinícius

Comentários

Ei Vinicius, estou aqui emocionada mais uma vez, acho a sua história com o seu pai linda e comovente! Acabei de chegar de viagem, fiquei distante da internet por uma semana e estava ansiosa para entrar no seu blog, ainda tenho muito que ler!!!!
A sua história com o seu pai me emociona muito por dois motivos: um por eu ter perdido o meu pai no ano passado e sentir muito a falta dele, que saudade eu sinto as vezes de dar um abraco nele, de dar um telefonema e escutar a sua voz, uma saudade que não tem tamanho!
O outro motivo é por amar demais a minha mãe e de nunca ter sentido dela o apoio que eu queria para a fotografia, o que nos distanciou um pouco, essa busca de aprovacão dos pais é tão importante! Mas hoje, como mãe, entendo os motivos dela, os pais preferem os caminhos mais seguros, não é verdade? Fico comovida demais com a sua história, acho lindo vc dividir isso e fico feliz! Final feliz é sempre bom e só depende de nós!
Viver intensamente, ao lado das pessoas que amamos, buscando sempre união e a paz foi uma das coisas que aprendi com a perda do meu pai!
Felicidades sempre na sua vida e de sua família!

Vinícius,depois que nos tornamos PAI é que começamos realmente a entender o que se passa naquela antiga cabeça dura! E ainda pode surgir algumas indagações do tipo… ” mas realmente ele fazia aquilo ou daquela forma porque queria o melhor pra mim?” e o pior ou melhor é que realmente fazia e faz tudo com a preocupação de querer o melhor para os filhos…

Mãe é mãe.. mas Pai é Pai!
O que faríamos sem eles…
Abraço!

Buuuuaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!
Sabe aqueles momentos em que palavras perdem o sentido?
Pois é! Esse é um deles!!
Estou me afogando em lágrimas!!
Beijo para os dois! 😉

COMENTANDO AGAIN!!!!!

Essa história tá ficando cada vez mais emocionante!!!!! Parece até coisa de novela … vamos ficar aguardando as cenas dos proximos capitulos!!!! kkkkkkkkkkk!!!!
Muito legal, parabéns aos dois … humildade é uma das grandes virtudes do ser humano!!!! e o resultado disso tudo é o AMOR e a PAZ ESPIRITUAL, que é o que devemos buscar nas nossas vidas todos os dias!!!
Boa sorte sempre!!!!!

Putz…

Emocionante… Como ja foi comentado acima… EXEMPLOS DE HUMILDADE!!!
Humildade e coragem… Parabéns.
Já são duas histórias que me emocionam SEMPRE que leio… “A CURA” e a história é “Alissa, alegria!”

Abraços e parabéns!!!!

Parabéns…..AOS DOIS!!

Meu comentário tb foi apagado….

Vinícius,

tinha lido o post rapidamente no dia anterior e fui impossibilitada de deixar meu comentário por causa de um despertador similar ao Julia Matos.
Voltando posteriormente, não pude nem relê-lo,quanto mais registrar meu comentário. Para ser sincera, passei o restante do dia preocupada, imaginando o que poderia ter acontecido com o post e com vocês…
…felizmente voltei e constatei que está tudo muito bem!
Gostaria de registrar a minha admiração pelas pessoas lindas que são; não é à toa que são Pai e Filho.Parabéns de coração!
No mundo em que vivemos, repleto de materialismos e egos acentuados, é maravilhoso conviver com pessoas que se desfazem de seus próprios orgulhos e se permitem ser felizes. É para mim um grande aprendizado.
Parabéns mais uma vez Vinícius e Sr. João Flavio, desejo-lhes muitas realizações juntos e felicidades sempre!
Marina Ushiro.

João Flávio de Matos

Vinícius

Recebi hoje uma frase de William Shakespeare, que gostaria de haver recebido ontem, para incluí-la em meus comentários sobre os dois dias de curso de casamento, onde fui seu feliz aluno.

A frase é a seguinte:
FELIZ AQUELE QUE TRANSFERE O QUE SABE E APRENDE O QUE ENSINA.

Faço minhas, estas palavras do famoso poeta inglês e, de acordo com elas, se você está se sentindo feliz como professor, é porque, não “guardando nenhuma carta na manga” em seus cursos, ou seja, transferindo tudo que sabe, você acaba por fixar e aprender ainda mais o que ensina.Continue assim.

Em março voltarei a ser seu aluno no curso de casamento avançado.Já estou inscrito na turma.

Felicidades.

Seu pai

João Flávio de Matos

Velho, não tinha comentado antes pois não deu tempo. Agora, acho que ainda em tempo lá vai.
Eu, que acompanho um pouco mais de perto essa estória, fico muito feliz em ver que nunca é tarde. Fico feliz em vê-lo como professor responsável e preocupado com os alunos e de ver seus alunos (JF) vibrarem como crianças ao descobrirem o novo, nas belezas da fotografia.

Abraços,

tb vou insistir, afinal sou brasileira e nao desisto nunca! 😉 vou copiar o comentario do post anterior:

Vini (bem, vou te chamar assim agora ja q vc me chamou de Erikinha e eu adorei!)

To amando participar dessa estoria de reaproximacao de vcs, to achando tao linda e emocionante. Obrigada por compartilhar isso conosco. Com certeza tem muita gente aprendendo com isso tudo e com as palavras de vcs, inclusive eu.

um beijo grande, Erikinha 😉 tamo intimo ne? hehehe

sniff…meu comentario tb foi apagado! ;-(

Deixe o seu comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

FECHAR MENU