MENU

Equipamentite Aguda tem cura.

Em primeiro lugar aviso que este post é polêmico. Provavelmente vai chatear alguns mas peço desculpas pois não há nada pessoal aqui.  Vou falar de uma doença que se chama equipamentite aguda. Ela atinge hoje boa parte dos fotógrafos profissionais.  Aqueles que acreditam piamente que só o equipamento faz toda a diferença. Que lente é essa? Que ISO você usou? Ah sua câmera é boa demais! Assim até eu né? Essas são algumas das frases que escuto dentro e fora da sala de aula. Não fico bravo e nem indignado pois eu também já quase morri disso e até hoje guardo equipamentos quase nunca usados no fundo do armário. Fui salvo pelo gongo.

PSIU, vamos deixar os fabricantes cuidar das câmeras? A eles cabe o desenvolvimento tecnológico enquanto nós cuidamos dessa maquininha complicada de carne e osso. Bota complicada nisso! Complexa e maravilhosa, ela é a principal responsável pelos bons trabalhos fotográficos. Somos fotógrafos, seres humanos  do outro lado da câmera. Nós fazemos acontecer e não as Canons e Nikons da vida.

Resolvi ilustrar esse post de forma bem marcante. Fotografei o casamento da Sílvia e do Rodrigo em alguns momentos com uma câmera amadora e gostaria de aqui compartilhar o resultado. Quero deixar bem claro que não pretendo fotografar sempre com câmeras compactas mas resolvi, com o aval e conhecimento dos noivos, fazer alguns cliques com a minha G11 e achei bem interessante o resultado.  Descobri que preciso daqui pra frente simplificar ainda mais meu equipamento. Prometo diminuir a minha bolsa e aumentar a minha atenção. Juro que usarei menos lentes enquanto estudo e busco mais referências. Praticarei mais e comprarei menos. Percebi que a simplicidade me permite focar as energias naquilo que é essencial. Hoje foi mais uma das grandes noites de aprendizado. Cheguei em casa tão eufórico que tive que postar! Pretendo me tornar um fotógrafo melhor e para isso preciso entender que os equipamentos são excelentes subterfúgios para os momentos de fuga da realidade. É mais fácil mudar de lente que de hábitos antigos. Preciso pensar mais nisso e iniciar uma longa jornada. Outra longa jornada!

Para ser um bom marceneiro não basta comprar um bom serrote.  O último lançamento de chuteiras da NIKE não garante aos jogadores gols na final da copa do mundo. Uma ferradura de titânio não dará ao garanhão o primeiro lugar no TURF. Por que Rubinho Barrichello (sorry amigo, sou seu fã mesmo assim) não foi campeão mundial nehuma vez utilizando a mesma Ferrari do alemão?

Parei pra pensar, para mudar e sigo em frente com a certeza de que quero sim tecnologia mas ela será ainda mais bem utilizada se eu estiver preparado. Aqui encerro minha participação com algumas imagens que fiz na maquininha da Juju, minha filha. Espero que curtam. Se não curtirem não tem problema pois elas servirão de marco na minha carreira.

Obrigado Sílvia e Rodrigo por aceitarem a “brincadeira”. Fotografei com a câmera de verdade na maioria do tempo e em breve aqui postarei as imagens. Divirtam-se na lua de mel!

Wedding photographed with an amateur camera!

Acute Equipamentitis is curable.

First notice that this is a controversial post. It will probably annoy some, but I apologize, because there is nothing personal here. I’ll talk about a disease called acute equipamentitis. It reaches a large proportion of professional photographers nowadays. Those who believe strongly that only the equipment itself makes all the difference. What lens is that? What ISO did you use? oh your camera is too good! Like that even I can do it! These are some of the phrases I hear inside and outside the classroom. I get neither angry nor outraged, since I myself was once nearly dying of it and I still keep a few equipments almost never used in the bottom of my closet. I was saved by the bell.

HEY, let’s leave the manufactures take care of the cameras? They are responsible for technological development while we take care of this little and complicated flesh and bone machine. And put complicated on that! Complex and wonderful, this machine is primarily responsible for good photographic work. We are photographers, humans on the other side of the camera. We make it happen rather than the Nikons and Canons.

I decided to illustrate this post in a very markable way. I photographed the wedding of Sylvia and Rodrigo with an amateur camera at some moments and I would like to share the results here. I want to make clear that I do not want to always shoot with compact cameras, but decided, with the approval and knowledge of the couple, to make some clicks with my G11 and I found very interesting how it resulted. I found out that I need to simplify my equipment from now on. I promise to shrink my bag and raise my attention.
I swear that I will use less lenses while I study and seek more referrals. I will practice more and buy less. I realized that simplicity allows me to focus energies on what is essential. Today was another great night of learning. I got home so thrilled that I had to post! I intend to become a better photographer and for that I must understand that the equipments are excellent subterfuge for moments of escape from reality. It is easier to change lens than the old habits. I need to think more about it and start a long journey. Another long journey!

To be a good carpenter it does not only take a good saw. The last launch of Nike cleats can not guarantee the players goals in the World Cup final match. A horseshoe of titanium will not give the Stallion the first place in TURF. Why Rubens Barrichello (sorry friend, I’m your fan anyway) was never world champion using the same Ferrari as the German?

I stopped to think, to change and move on with the certainty that yes, I do want technology, but it will be even better utilized if I am ready. Here I close my contribution with some images I made with Juju’s, my daughter little machine. I hope you enjoy. If you do not, no problem, because they will be like milestone in my career.

Thanks Sylvia and friends for accepting the “frolic”. I photographed with the real camera most of the time and soon I’ll post the pictures here. Have fun on the honeymoon!

Equipamentitis Aguda tiene cura.

En primer lugar les aviso que este post es polémico. Probablemente les molestará a algunos, pero me disculpo, no hay nada personal aquí. Voy a hablar de una enfermedad que se llama equipamentitis aguda. Esta alcanza hoy a una buena parte de los fotógrafos profesionales. Aquellos que creen fehacientemente que sólo el equipamiento hace toda la diferencia. ¿Qué lente es ese? ¿Qué ISO usaste? ¡Ah, tu cámara es buenísima! Así cualquiera, hasta yo…no? Estas son algunas de las frases que escucho dentro y fuera del aula. No me enojo ni me indigna pues yo también casi morí de esto y hasta hoy guardo equipamientos casi nunca usados en el fondo del armario.

Me salvó el gong.

Hey, vamos a dejar que los fabricantes cuiden las cámaras? Les cabe a ellos el desarrollo tecnológico mientras nosotros cuidamos de esta maquinita complicada de carne y hueso. Y qué complicada…! Compleja y maravillosa, es la principal responsable por los buenos trabajos fotográficos. Somos fotógrafos, seres humanos del otro lado de la cámara. Nosotros hacemos que las cosas sucedan, y no las Canons y Nikons de la vida.

Decidí ilustrar este post de forma bien fuerte. Fotografié la boda de Silvia y Rodrigo en algunos momentos con una cámara aficionada y me gustaría compartir aquí el resultado. Quiero dejar bien claro que no pretendo fotografiar siempre con cámaras compactas pero decidí, con el aval y conocimiento de los novios, hacer algunas tomas con mi G11 y el resultado me pareció muy interesante. Descubrí que necesito de ahora en más simplificar aún más mi equipamiento. Prometo disminuir mi bolso y aumentar mi atención. Juro que usaré menos lentes mientras estudio y busco más referencias. Practicaré más y compraré menos. Noté que la simplicidad me permite concentrar las energías en lo que es esencial. Hoy fue otra más de las grandes noches de aprendizaje. Llegué a casa tan eufórico que tuve que postear! Pretendo tornarme un fotógrafo mejor, y para eso preciso entender que los equipamientos son excelentes subterfugios para los momentos de fuga de la realidad. Es más fácil cambiar la lente que los hábitos antiguos. Necesito pensar más en eso e iniciar una larga jornada. ¡Otra larga jornada!

Para ser un buen carpintero no es suficiente comprar un serrucho. El último lanzamiento de botines de NIKE no les garantiza a los jugadores goles en la final del mundial. Una herradura de titanio no le dará al garañón el primer lugar en el TURF. ¿Por qué Rubinho Barrichello (sorry amigo, soy tu fan igual) no fue campeón ni una vez usando la misma Ferrari que el alemán?

Paré para pensar, para cambiar y sigo adelante con la certeza de que sí quiero tecnología, pero que será mejor usada aún si yo estoy preparado. Concluyo aquí mi participación con algunas imágenes que tomé con la camarita de Juju, mi hija. Espero las disfruten. Si no las disfrutan, no hay problema, pues van a servir de marco en mi carrera.

Gracias Silvia y Rodrigo por aceptar el “juego”. Fotografié con la cámara de verdad la mayor parte del tiempo y en breve subiré aquí las imágenes. ¡Diviértanse en la luna de miel!

Comentários
Leonardo Fernandes

Muito bom e inspirador.

Muito obrigado cara. Fui convidado para fotografar um casamento esse sabado, a principio fiquei com receio pois so tenho uma compacta. Pedi uma semi emprestado da minha amiga, e mesmo assim fiquei com medo de dar errado etc etc etc. Mas depois de ler esse seu post me deu um belo up kkkkkkk

Muito obrigado cara.

Sem palavras para seu post… nele você provou que a visão do fotógrafo vale mais muito que os equipamentos.
O que torna uma imagem apreciada é a emoção e a mensagem que transmite aos que a olham! Parabéns… sou fotógrafa amadora e sua fã! Abraços.

saudações, comtodaessa publicidade sobre câmeras super modernas, quase me infectei com equipamentite
aguda, as fotos do vinicius provam que não preciso de superequipto, meu equipto é kodakeasysharez740
tb não preciso de photoshop, software do picasa é suficiente, então tudo que leio sobre
exigências p/ser profissional, é blablabla
abço,dimitry
[email protected]
consultar meu google+ [email protected]

Excelente artigo. Vivo dizendo isso pra uns colegas que insistem em gastar rios de dinheiro com equipamentos.

Vc simplesmente é o Pelé da fotografia. Parabéns!

Nossa….me tirou um milhao de quilos das costas!
Sei que este post é bem antigo, mas nunca deixará de ser atual!
Eu, sempre gostei de fotografar, mesmo…
Era daquelas que onde ia levava uma câmera, e todo mundo já contava com isso!
Então resolvi me dedicar profissionalmente a isto!
Há um ano!
E de lá pra cá, tenho a minha câmera comprada de segunda mão, a 30D, minha véia de guerra…
e com ela aprendi a usar a câmera profissional…e recentemente, comprei uma T3i, sei lá…gosto dela!
Porém, conversando e conversando com fotógrafos, muitos falam da qualidade de camera x e y!
E eu estava justamente pesquisando sobre isso, já pensando em vender as minhas duas pra comprar uma melhor! e mais isso e mais aquilo…
Não quer dizer que eu não vá comprar um equipamento mais tecnologicamente evoluído, mas lendo este post vi que não é tão emergencial assim…e que o melhor é eu investir no meu olhar e eu meus cursos!
Sem grana que estou…há sempre estes trade offs!!

Grata Vinicius!!
Mt grata, pois esperava não só ouvir isso de um fotógrafo, mas de ver e comprovar que o equipamento não faz o profissional, é preciso ter o talento e criatividade!
gde abraço.

Grande Vnicios, li tudo o que precisava ser lido hoje, um puxão de orelhas,bem dado.
Sempre pensei assim mas acabava indo na onda.Hoje parei e me dei uma missão, de seser muito melhor do que era com o equipamento que possuo.

Abraço

Wellington Chianca

Parabéns pelo post Vinicius!

Realmente o que mais encontramos são fotógrafos que pensam que só o equipamento resolve tudo. Infelizmente esquecem de buscar novas ideias e de encontrar a arte em tudo que vê. Precisamos pensar mais no resultado sem precisar está sempre com o top das Máquinas.
Grande abraço.

WChianca

É meu mestre, depois daquele WS em OP passei a frequentar a Igreja “Nossa Senhora do Offline” e a sessão do “DESCARREGA” e passei a descarregar tbm. minha bolsa de equip. Acabei de trocar a monstrenga branca por 03 fixas!!! kkkkkk Sucesso sempre pra vc. Grande abraço mestre!!!

[…] Ultimamente me sinto angustiado com a dependência que nós fotógrafos desenvolvemos em relação aos nossos equipamentos. Como ministro workshops tenho contato com inúmeros alunos e uma das preocupações maiores é o tal UPGRADE e a compra de mais equipamentos. Há últimos lançamentos todos os dias no site. Eu já fiz um post sobre a danada da EQUIPAMENTITE AGUDA que por sinal foi bem polêmico. Para que quiser conhecer melhor esta doença basta clicar AQUI. […]

opa….legal o texto e tal…realmente o olhar vale mais do que qualquer equipamento

mas tambem voce falou de camera amadora e usou uma G11…covardia…sou canonzeiro…e G11 tá longe de ser amadora..rs compacta sim
mas valeu muito a intenção as fotos ficaram boas claro e o texto também, cumpriu seu papel..um abraço companheiro

Ps: o duro agora é o povo pensar que com qualquer camerazinha (mais uma vez peço desculpa pelo termo) já virou fotógrafo e bora ganhar uns trocados, isso algumas vezes “queima o filme” do nome “fotografo”…

abração

Caro Bruno,

A G11 é amadora sim. Fotógrafos ruins com equipamento bom e fotógrafos ruins com equipamento bom sempre terão. O meu papel aqui é alertar que o equipamento, bom ou ruim, não influencia na competência do fotógrafo.

Abraços

Estava morrendo d medo d fotografar uma festinha infantil com minha 18-55 , mas achar esse site hj foi o ” click” q eu precisava

Thanks!

Amigo, fantástico artigo!!

Parabéns!

Grande abraço!

Juju, me empresta sua maquina!!!rsrsrsrs.
Parabens….gostei e aprendi muito…

Vinicius,

Graças a você finalmente consegui entender essa história de “fotografia está no talento do fotógrafo, não no equipamento”. De facto deu para perceber a diferença, agora. Em termos de qualidade de imagem, apenas nisso, o equipamento ganha. Mas a forma como as imagens são retratadas, a composição, o manuseamento da máquina nas diferentes consições de de luz, isso está na capacidade do fotógrafo.

Obrigada, Vinícios. Agora sei que ainda tenho muito para explorar com a minha Canon EOS 350D antes de partir para uma outra.

Ana.

Amigo reveja seus comentarios sobre equipamentos td bem que da para se virar quando não se tem equipamentos mais lentes claras são bem vindas, Beijão e abraços.

Wilton, acho que vc quem deve ler o post novamente pois em nenhum momento eu não falo mal de lentes claras pois eu as uso o tempo todo. : )

Abraços!

É isso aí Vinícius, muita gente (até quem não entende nada de fotografia) ainda acha que o quanto maior o tamanho (do equipamento) maior o prazer (belas imagens). Com o avanço da tecnologia os equipamentos considerados amadores podem produzir excelentes resultados.
Não quero dizer, que ninguém deve investir seu “rico dinheirinho” em lentes prime, super claras, rápidas e nítidas ou em D3x/1Ds da vida. Cada um tem que usar aquilo que acha que complementará seu olhar da melho forma possível, isto é, o equipamento deve se adequar ao fotógrafo e não o contrário.
Um amigo atuou, recentemente, como segundo fotógrafo em um casamento, aqui em Curitiba, usando um kit Rebel T2i e um speedlight 430EXII. Muitos diriam que ele não é profissional, e não é mesmo, afinal isso é apenas um hobby para ele. Pois bem, após editarmos algumas imagens (entenda-se equilíbrio de branco, brilho e contraste e alguns outros pequenos ajustes) ficou extremamente difícil diferenciar tais imagens daquelas obitdas pelo equipamento mais caro e sofisticado da fotógrafa principal.
Não podemos negar que câmeras de ponta e lentes claras nos permitem obter bons resultados mesmo nas condições mais adversas, mas ninguém pode julgar o trabalho e o profissionalismo de um fotógrafo apenas pela simples observação do “tamanho” do seu equipamento.
Parabéns pelo post. E como diria um locutor esportivo local: “Vinícius, você é o Cara!”.

Ola amigos,conheci o Vinicius em um curso em Ctba.Desde o início do referido curso, achei-o muito simples e humilde.Quem não era….eram “alguns”participantes e eu explico,na epoca estava eu com uma camera amadora Sony DSC H5, um cybershot que ate hoje conservo…pois ela tem um bom Zoom,uma lente compativel para varios momentos e que muito me ajuda ate hoje….faz otimas fotos que não ficam nada a dever as profissionais..Mas vamos aos fatos,a maioria dos partcipantes so falava de equipamentos,lentes, cameras e etc…alguns levavam bolsas enormes com suas 24-70,70-200..teles e corpos D 700, D3,D7,MARK II,MARK IV… era um verdadeiro desfile…Ctba é assim mesmo e olha que sou de lá.Fiquei lá morrendo de vergonha,tava com a camera na mão e senti o olhar de desprezo da maioria,na sequencia nem abri mais minha bolsinha para tirar a sonyzinha e somente ouvia e é claro, tava pagando…então perguntei,questionei, fui ate chato nas perguntas,mas era minha oportunidade de aprender né! Percebi que meus comentarios e colocações de certa forma estavam chateando alguns,pois mesmo com meu parco conhecimento, fazia boas perguntas e estimulava o debate, isso gera ciumeira nos “equipamentosos”O que vale é o olhar..Adans hansell me ensinou demais….com sua camera,negativo e ampliação….
Bem ao final do curso,o proprio Vinicius nos passou uma boa listagem de lentes e corpos e flashes….Faz parte do Show né,
Sai de -la entusiasmado, ansisoso e ja pensando como “fazer todo aquele $$$$ para comprar os equipamentos…ledo engano meu!!! não é facil né
Admito a DOENÇA me pegou!!
passava dias e noites em sites dos fabricantes,perguntando em lojas,com profissionais fotografos de minha região(moro em SC, especificamente em Balneario Camboriu)
fiquei maluco com o arsenal de siglas,preços e etc….
MAS…informação que bom nada,cade um fotografo amigo,que me oirentasse? alguem que me dissese que o importante era o meu olhar,minas experimentações,ter ousadia,saber fazer,ninguem ajuda nada….
Estava decpecionado e cada vez que ia nos eventos,ficava a no fundo com minha sonyzinha, enevergonhado por não ter equipamento a altura e sendo motivo de chacota…muitas vezes ouvi..hahah, que vc quer com esse tranbolho???
bem fui devagarinho fazendo um aniversario aqui, uma gravida ali, um evento institucional, tudo pequeno, e juntando uns caraminguas, fiz um blog,um flickr, facebook e em todos postei minahs fotos,alguns elogios vieram, mais uns e fui ficando mais animado…
Bem é obvio que somente “vontade” não dá né, tenho que ser sincero, por isso estudei amis, comprei livros,li materias, aprendi um pouquinho e fui em busca de algo melhorzinho….
Hoje fotografo com duas cameras…Ambas NIKON, uma D60 e uma D 90, com lentes 18-105mm.uma 55-200 mm,e recentemente adquiri duas SIGMAS ,uma 18-50 mm 2.8 e uma 24-70 2.8 EX,afora comentarios de que a sigma não e boa e etc e tudo mais,comprei um Tripé velbon e uma iluminação externa com duas tochas,flashes principal e de prenchimento da MAKO e estou satifestissimo com meus trabalhos, estou fazendo varios eventos e me mantendo…
Sei que é o basico do basico,mas estou me virando,extraio o maximo de meu equipamento…E o principal deles sabe o que é? Meus braços, dedos, e principalmente meus olhos……
Tomara essa minha estoria de vida sirva para alguem inspire,e em nenhum moemnto quis ser metido ou aparecer.
Agradeço ao Vinicius o meu começo…..
e a quem ler minahs sinceras considerações e sempre aprendendo
Abraços a todos
Se alguem quiser dar uam olhadinha em minhas fotos no facebook e deixar um comentario, agradeceria…
http://www.facebook.com/#!/profile.php?id=1233445090&v=photos
Valeu!!

adorei o post e as fotos…isso mostra q pra um bom profissional, qquer equipamento na mão é sucesso garantido..mas o bom mesmo é ver como as pessoas ficam mordidas..sera porque????
bjo

Vinícius, queria que me ajudasse em uma questao ao contrario do que voce colocou. Aliás, quanta sensibilidade a sua. Eu sou apaixonada pelo seu trabalho! Não vejo a hora do meu namorado me pedir de fato em casamento pra poder conversar com voce sobre uma data! rsrs
Mas a questao é: no caso de alguem que nao tem o menor talento pra tirar fotografia (como eu) que camera amadora eu devo comprar? O fato é que eu to querendo uma camera até uns 1200,00 pra poder tirar fotos das nossas festinhas em casa e pra quando eu for acampar, entao tinha que ser uma que fotografa bem com pouca luz. Eu nao entendo nada de cameras, mas queria uma pra me divertir, entao na loja me indicaram a Sony Hx1, mas agora vi vc falando dessa G11.
Eu sei que nao é sobre nada disso o post, e tambem sei que mesmo com a mesma camera que vc usou jamais faria uma foto tao linda. Mas confio na sua sugestao!
Obrigada
Um abraço

Oi Fernanda, compra a G12 já que a 11 acabou de sair de linha! Você vai gostar!

Bjs

Vinicius

E aí Vinicius,

Fotografou em RAW ou JPEG?

Vi na ultima Fotografe Melhor, na sessão revele-se, em páginas lado a lado, uma foto feita com uma D80 + 18-135mm e outra com uma D300s + 80-200 2.8…….Adivinha qual ficou melhor?
TEm um ditado na minha terra (interior de MG) que fala assim:
“É colocar anel de ouro em focinho de porco”
Ô Minas de gente sabida sô.

Grande iniciativa Vinícius!
Todo mundo tem uma história parecida quando se trata de tecnologia. Há algum tempo parei de correr atrás dela. Fotografo com uma Nikon D40 com lente 55mm macro 1.2 “manual”, tenho também uma 55-200 mais uso mesmo a 55, e não é que as fotos ficam boas. Se comprar uma D300, que é quanto os meus níqueis podem comprar por exemplo, o censor vai ser o mesmo XD da D40.

Isso é totalmente verdade. Conheço vários que exibem suas lentes enormes, talvez pra compensar sua falta de dom artístico. Uma vez um fotógrafo esnobou a minha câmera, na época uma DSLR simples, exibindo sua câmera super hi-tech, full-frame linda e reluzente, com uma tele enorme. Fui olhar as fotos dele depois na internet, e achei uma bela merda! hahaha! Hoje tenho umas 6 lentes diferentes, incluindo uma 70-200 2.8 que usei apenas 1x em 1 ano. E hj a minha lente preferida é a que me custou menos! uma 50mm 1.4 baratinha

Não é o equipamento bom que faz um bom fotografo. Mas um equipamento bom ajuda o bom fotografo. Só o bom. Equipamento não faz milagre, quem faz é o olhar e o talento do fotografo. E não é filosofia barata, é a mais pura verdade. Mas claro, é melhor trabalhar com equipamento bacana. Isso em todas as áreas. Inegável.

Vínicius, nem preciso escrever várias linhas pra dizer o quanto sou teu fã e tu já ouve isso nos quatro cantos… Já aconteceu comigo algumas vezes de quando eu chegar pra conversar com as pessoas elas virem me mostrar seu site: “Já viu o trabalho desse fotógrafo?” rsrs…

Aqui você fala sobre equipamentos. Semana passada dei uma entrevista e fiz uma comparação parecida com a sua. Leia a resposta da última pergunta. Inclusive falo em você nela.
http://www.revistagrandesacada.com.br/2010/10/entrevista-com-toddy-holland.html

O que vem acontecendo com quem está começando é investir em equipamentos sofisticados, mas não utiliza nem uma pequena parte do que ele oferece. Acho que pra ser um bom fotógrafo é preciso ter o dom, estudar, pesquisar, praticar e se aprimorar. Não é um equipamento bom que vai fazer um bom fotógrafo. Fazendo uma analogia com o surf que é um esporte que amo: É a mesma coisa que um iniciante pegar uma prancha de Kelly Slater e achar que vai surfar igual. Procuro adquirir equipamento pra suprir alguma necessidade técnica e não o contrário, comprar equipamento e ficar procurando o que ele pode fazer.

Toddy, obrigado pelas palavras. Também te admiro cabra da peste!

Vinícius, é claro que aceitaríamos a “brincadeira”, pois confiamos em você! Como já foi dito acima, o que importa é quem está por trás das lentes, e não o equipamento… Não foi por acaso que escolhemos você e sua equipe para fotografar nosso casamento! As fotos estão lindas!!!!! Beijo grande, Silvia.

Parabéns… Excelente Post e Ótimas fotos… Em breve seu desejo será realidade… Vai treinando, que as compactas em 2011, vão vir com força total e iso elevadissimos;;;
Arrazo Garoto e a camera da Juju está de parabéns… rsrsrsrsrs *Brincadeirinha*

Ah esqueci…já li seu livro duas vezes e tem me ajudado bastante!

olá Vinivius, concordo totalmente contigo.Equipamento não faz o Fotografo.Essa semana fiz a troca do meu equipamento, não porque queria o melhor, mas pq já estava na hora,havia um tempo que não tracava.Mas da mesma maneira que investi em novos equipamentos, tb estou investindo em mim…entrei em uma academia para não me sentir cansado e nem pesado quando tiver que me deitar ou subir em algo para fazer uma foto com um angulo diferente,estou estudando muito…lendo livros( inclusive o seu é um deles ),lendo posts como esse, fazendo cursos como Wedding Brasil, Estudio Brasil e etc. E com tudo isso tenho visto meu olhar mudar, notado que tenho crescido e isso me deixa feliz! Vinicius alem vc ser um otimo profissional, vc é uma pessoa humilde e que não tem medo de se expressar e dizer como faz e o que faz em um foto e é por isso que vc tem muitos admiradores…humildade e simplicidade essa é a questão.Ah um tempo atras perguntei a um fotografo onde ele tinha feito uma foto em que achei o banco do lugar muito legal, sabe o que ele me disse: Não conto minhas locações a ninguem, se quiser vai atras e isso era pq eu o conhecia a um tempo, mesmo antes dele começar…eu disse ok sem problemas.Muitos hoje querem passar por cima da amizade,do carater e se possivel até por cima da gente mesmo para se dar bem.Fico feliz por pessoas como vc, o Evandro, o Newton que não são assim e por isso estão sendo seguidos e admirados.
Um abraço e fique com Deus!

Bravoo! Uma senhora aula para quem está começando(meu caso)… Outro dia mesmo estava pensando: preciso da câmera tal p conseguir o resultado tal, o ISO da minha é mto limitado, ai preciso urgente da lente tal e blá blá blá… O que a gente precisa mesmo é olhar para dentro e sair da “terra dos palpites” (o q não é fácil). Pq com tantos estímulos para se consumir, tanto profissional com o ego láa em cima, em determinadas horas podemos nos contagiar com a equipamentite aguda. Seu post veio em ótima hora, pois mais vale um mundo de referências e sensibilidade ao melhor equipamento do mundo nas mão de quem ignora que a fotografia tem muito mais a ver com a arte de enxergar com o coração. Quero novos equipamentos sim, mas com uma consciência igualmente nova. Comecei o curso completo na escola e espero conhecê-lo em breve! A propósito, fotos com a mesma alma da outras que já vi por aqui. Um abraço, Camila

Meu sogro, o Mestre da fotografia Geraldo Vieira, sempre dizia que nenhum equipamento vai superar o homem e que a melhor lente é a que enxerga atraz da câmera, o nosso precioso OLHO. Essa doença ainda não me atingiu, compro sempre pela necessidade e não por impulso.Valeu o diagnóstico Vinicíus!!!!!!!!!!!

Vinícius, esse foi o melhor post que vc já escreveu. Genial! “… Prometo diminuir minha bolsa, e aumentar minha atenção”… Genial! Com tua licença, vou imprimir teu texto, e estuda-lo com minha equipe. Parabéns.

Edgardo

Vinicius, ótimo post! Concordo plenamente contigo. Na minha opinião, temos que usar a tecnologia a nosso favor, mas sabendo que a arte está em cada um de nós, em nosso olhar e sensibilidade. É usar a nosso favor e não esperar que ela faça a foto sozinha. Nem a tecnologia mais avançada do mundo vai fazer uma pessoa tirar uma foto que ela não está vendo. Não tem como!
Acho que temos que explorar nosso equipamento e tentar tirar o melhor proveito possível. E estudar. Estudar fotografia e encará-la como arte.
Parabéns pelo texto e pelas fotos!
Abraço

“Se eu te der uma Mont Blanc você escreveria um poema como Carlos Drummond?”
A essência de cada foto vêm de tudo o que cada fotógrafo já viveu, já sentiu, já viu e ouviu. A fotografia é uma extensão do fotógrafo, de seus sentimentos, de sua sensibilidade, da sua experiência. A forma como vê a luz, como enquadra, como “prevê” momentos acontecerem para então clicá-los. É experiência. É uma evolução diária. Uma evolução da nossa própria vida. E não importa se com uma câmera de celular, uma G11 ou uma MkIV, quem sente e vê é sempre quem está por detrás das lentes.
Post fantástico Vini. E sim, fotos fantásticas.
“Se eu te der uma G11 você tiraria foto como Vinicius Matos?”

Muito interessante a experência/brincadeira. Muito bem colocado pelo Vinicius quando ele fala que tirou algumas fotos com a pequena câmera com a aprovação dos noivos. Com certeza o foco do trabalho estava nas fotos registradas com o equipamento profissional sendo estas fotos acima apenas um mero passatempo. Realmente é apenas uma brincadeira pois todo casal que contrata um fotógrafo, espera o melhor resultado possível nas fotos, registradas com equipamento profissional.

Vinicius, muito legal a sua iniciativa. Pessoal.. não vão achar que agora é sair com a câmera compacta pra realizar trabalhos profissionais, pelo amor de deus.. isso foi um teste (mas mantendo o trabalho sério em paralelo.)

abraço.

Essa menina falou tudo
“Que as pessoas percebam que as fotos acima guardam a essência da sua arte, do seu trabalho, Vinicus Matos. Com composição, enquadramentos, fotometrias e todo estilo que lhe é peculiar. E a fotografia é isso, a assinatura do artista. Com a g11 vc manteve ali seu manuscrito fotográfico… Isso que deve ser visto: onde mora a arte?! Arquétipos, simbolismos, simetrias, estilo e todos os detalhes que fizeram o resultado ser acima do que poderia ser (erroneamente) esperado de uma máquina amadora. E pra mim, o resultado óbvio: o olhar por trás da máquina é que faz a diferença.”..

Não tem mais nada a acrescentar ao que foi dito por essa pessoa.

Ói, isso é papo pra mais de metro.
Eu entendo exatamente o que o sr. quer dizer mestre, mas já tem gente aí achando que agora é pra ir pro casamento com uma Sony compacta.
Equipamento na minha opinião humilde, tem de caber direitinho na mão de quem tá usando, e mais ainda, no bolso.
Nunca fui nos EUA, mas li uma vez que o pessoal por lá, não se preocupa muito com quantidade e tamanho (kkk), mas com o custo x benefício…quanto custa? quanto vou ganhar com isso?
É algo que os brasucas (nós) precisamos entender…vivemos em transe, e vamos de um extremo ao outro em segundos…num momento, o olhar é tudo, a arte…no outro, a 5D MkII ou a D3x…tá tudo errado.
O que ocorre é que as pessoas “tem que comprar” uma Nikon D3x pra fazer foto de batizado (não desmerecendo quem fotografa batizado, é que não precisa gastar tanto pra fotografar eventos assim).

Tem também outro aspecto disso: Um exemplo é que tem muito por aqui no meu “trecho”, gente querendo substituir a falta absoluta de talento por uma 5D MkII/ D700, D3x…etc…
Quanto ao cliente que contrata um fotógrafo pelo tamanho do circo que ele arma na igreja ou na recepção, cabe a nós convencermos de que não é por aí…com resultados.
Ainda na Fórmula 1, quem se lembra o Senna com a Lótus John Player Special nº 12? O que o cara fazia com aquele carrinho inferior…

Vamos imaginar que não li o post, e que me perguntavam com que máquina foram feitas as fotos, não saberia responder. Mas consegueria dizer que as fotos foram tiradas pelo Vinicius.
Concordo consigo Vinicius!!
O mais importante não é o que está à frente do olho, mas sim atrás (não sei se me fiz entender).

Eu curti!!!!

Awesome! Falou tudo! As we see by the pics in this post, it’s not the camera! It’s all about the person who holds it, who is behind all creative ideas and good angles!
We love you Vinicius!

gostei vinicius!equipamento não faz fotografo e sim está por tras dele!!Abraço amigo.

Concordo plenamente que a equipamentite é uma síndrome contagiosa entre os fotógrafos e creio que todos nós, fotógrafos que não possuem equipamento de ponta, sofremos discriminação em virtude dela. Eu possuo uma D300S, antes tinha uma D200 e nos eventos sempre sofria daquelas “olhadelas” que fotógrafos com 7D ou 5D – que aliás são vários por aí – nos dedicam com apuro. Tudo bem, isso nunca me incomodou muito, pois como fotógrafa e professora de fotografia sempre defendi que a câmera não faz o fotógrafo, até fazia a proposta quando algum deles falava “Ah professora mas com uma câmera dessas até eu faço fotos bonitas” eu dizia: “Então vamos trocar, você fotografa com a minha e eu com a sua compacta e vamos ver no que dá?”, nenhum deles nunca aceitou, na hora davam pra trás… rsrsrs a responsa que pesava.

Bem , embora concordando com tudo que foi escrito aqui até agora, preciso dizer é que na verdade as fotos aqui não foram feitas com qualquer compacta, certo? Foi utilizada uma G11, que cada vez mais se consagra como “a compacta dos profissionais” – o que pude comfirmar no último “Paraty em Foco – Festival Internacional de Fotografia em sua 6º edição” quando percebemos vários fotógrafos profissionais que junto com suas câmeras robustas tinham pendurado no pescoço a pequena notável G11. E digo pequena notável porque é realmente notável o que se consegue fazer com essa pequenina. Eu mesma tenho uma e brinco com ela nos diversos trabalhos que faço, sempre alterno entre a D300s e a G11 e em todos sempre entram na seleção algumas fotos dela. Também com os seus 10 megapixel, o sensor CCD e a possibilidade de se fotografar em RAW, além do alto ISO – que em algumas situações granula bastante mas que é bem aceitável, e claro a opção de fazer tudo manualmente, do balanço de branco ao controle de compensação de exposição e tudo acessível.
Enfim, eu sou apaixonadinha pela G11, até escrevei uma matéria sobre ela – que era pra ser na verdade sobre o lançamento da G12 – chamada “Mimo para quem precisa” no nosso blog http://www.3olhares.com.br

Recomendo a G11 ou a G12 (novíssimo lançamento) sem pestanejar como câmera de bolso para fotógrafos profissionais e exigentes. E você vem dizer que é a compacta de sua filha? Tá tirando onda né não Vinícius?

“Mimo para quem precisa” – Matéria sobre a G11
http://magnojunior.squarespace.com/blog/2010/10/7/mimo-para-quem-precisa.html?lastPage=true#comment10291165

Ps.: Não ganho nada da Canon para falar bem da G11, nem sou promotora de vendas. É constatação de uso mesmo!Compartilhar é sempre bom!

Magda, primeiramente obrigado pela visita e comentário. O tópico aqui não fala de equipamento mas sim de equipamentite portanto acho que vc focou demais em modelos, números, câmeras, D200, G11. A minha intensão é alertar de que é preciso cuidar muito mais do equipamento humando pois ele é quem verdadeiramente pensa as fotos. Os equipamentos eletrônicos e mecânicos são extensões de nós fotógrafos. Quanto a G11, ela não é a “compacta dos profissionais” até porque ela é uma câmera Bridge e além disso já existem vários modelos considerados tecnologicamente mais avançados. Não sei se você captou mas a idéia colocando fotos feitas com ela é simplesmente ilustrar o tema acima discutido.

Volte sempre.

Abs

Vinicius

Muitos comentam realmente de equipamento e usam a mesma frase: Assim até eu né?
Vai tão além de um bom equipamento!

Um dia desses postei uma sessão pessoal no meu blog, feito com uma sony de bolso

http://junialane.squarespace.com/photographer/2010/7/12/dia-12-do-mes-passado.html?SSScrollPosition=414

Acredito totalmente em tudo isso! Nosso principal trabalho é de carne e osso! É feito de olhar criativo e um coração atendo! Equipamente é extensão, é um instrumento e acredito que não é o ponto chave…mas é indispensável!:)

Vinícius, muito bom o post!

Belo post!!

Mostra que a fotografia não é só o equipamento . È a técnica, o olhar, a sensibilidade , a percepção !Voce mostrou este conjunto lindamente!!
Abraços!!

permita-me CTRL-C + CTRL-V em meu blogue…
o titulo FOTOGRAFO PROFISSIONAL, é mal expressada e mal entendida, este “titulo” deve ser atribuido apenas a aqueles que tem boa parte de seu salario vindo desta atividade, equipamentos nao me torna fotografo profissional, atrevo-me a criar uma nova expressao, Fotografo Amador Profissional, utilizado para definir aquela pessoa que reserva algumas horinhas do seu fim de semana para discutir, aprender, clicar, errar e acertar.
O que torna este post tao intenso e espetacular, é a possibilidade de que a cada leitura, possamos tirar varias conclusoes; e esta conclusao descrita acima, foi a mais recente, creio que nao sera a ultima.
abcs;

Muito bom Vinícius. Li seu texto e confesso que percorreu um doce sentimento de “vingança”, pois já aconteceu comigo durante um evento de cultura em Vitória-ES. Lá estava eu com duas câmeras básicas: uma sony W110 e uma sony H9. Os portadores dessa doença equipamentite aguda, me olhavam com enorme desprezo, e confesso que em alguns momentos me senti mal, pois a fuzilaria desprezante com o olhar abala. Entretanto, liguei o f… yourself e continuei clicando. E o resultado? Muito bom…
Mais uma vez quero parabenizá-lo pela vontade de postar um artigo que desmistifica essa coisa de que a fotografia só é possível se tivermos um canhão nas mãos.
Valeu

Vinicius,
Mais uma vez você dá um show de fotografias e de humildade. No mundo da tecnologia onde a aparencia vale mais que a qualidade e o conhecimento, este post vem como contra-partida para os viciados em equipamento, mas esquecem que tudo é um conjunto e existe coisas mais importantes entre a camera e o ser fotografado.
A cada trabalho seu apresentado neste blog me torno um fã maior ainda! Serve sempre como inspiração e nos faz sempre rever velhos vicios, muitos nossos, outros tantos impostos pelas pessoas que se prendem apenas nas malas cheias e cameras penduradas por todos os lados.

Parabéns pela iniciativa e por compartilhar mais uma vez a sua experiência.

Vinicius, parabens pela iniciativa. Gostaria que você desse uma olhada no meu flickr (wwww.flickr.com/ale_borba), é um projeto pessoal onde todas as fotos são tiradas com telefones celulares e não recebem nenhum tipo de tratamento.

abraço

@ale_borba

“O melhor equipamento não é aquele que você tem, muito menos aquele que outros fotógrafos usam, nem aquele que seu cliente quer que você tenha. É aquele que te dá a estética que você deseja, com a qualidade que seu cliente precisa. Quaisquer que sejam as combinações, ambos os requisitos devem ser satisfeitos, sob pena do trabalho não sair interessante para você, ou interessante para seu cliente.” Alex Villegas

Então posso concluir que se a máquina fizesse o fotógrafo, a Juju já poderia fotografar casamentos!! rsrsrs

A câmera é dela Zenilda! hehehehe

Vini, você é 10! É claro que muita gente já teve experiências e percepções como esta sua, mas vindo de você… Bom mesmo é experimentar sem dó! Testar, errar, acertar, errar de novo…
Em uma oportunidade de viagem ao exterior, matei minha vontade e comprei uma Canon T1i, grip e tele. Totalmente intermediária, mas era tudo o que eu realmente procurava, nada profissional, mas algo que me desse mais recursos que as convencionais. Adoro fotografar, mas não gosto de ter o compromisso da perfeição. Dentre várias fotos, algumas são realmente boas.
O problema é que as pessoas me vêem com uma máquina maior que uma convencional e esperam “o milagre da imagem”. Me sinto na obrigação de produzir resultados e nem sempre me contento… (aliás, aproveitando os “tapas na cara”, seja sincero e responda um amador: de 200 fotos, quantas são suas aceitáveis?).
Mais uma vez, parabéns pelo trabalho e iniciativa.

Rogério, aproveitar e não aproveitar é bem subjetivo. O que as vezes pra vc é ruim para mim pode ser bom portanto não tenho como te responder a indagação. Só posso lhe dizer que costumo errar muito, principalmente quando estou a fim de sair do convencional. Eu sempre arrisco. Abraços.

FRANCISCO PEREIRA ANDRADE

Grande Mestre,
Concordo com quase tudo escrito exceto com a citação e Barichello: o brasileiro não tinha o mesmo carro do alemão e quando fazia o melhor acerto, quase sempre, eram repassados para a estrela da companhia.Reconheço o talento do multi campeão mas que o nosso Barichello contibuiu muitíssimo é verdade.
Talento e tecnologia: somam para formar um todo harmonioso, o primeiro manuseia e o segundo facilita a busca pelo melhor resultado do trabalho.

Vinícius, tem uma frase do Ernst Haas que retrata bem tudo isso:

“A câmera não faz diferença nenhuma. Todas elas gravam o que você está vendo. Mas você precisa VER!”

Um grande abraço! Ale

Essa eu não conhecia Ale. Muito boa! Abraços.

Sensacional!
Taí um post que não pode passar desapercebido…
Mais uma prova que o que conta mesmo é a emoção das cenas e saber transmiti-las, não importa como ou com qual equipamento.
Parabéns, fotos fantásticas!
Crescendo e reaprendendo sempre!
Mais e mais sucesso pra ti!

sinceramente eu achei muito ruim, sombras muito duras, grãos horríveis, e a falta de nitidez não me agrada.

Ainda bem que existem pessoas com pontos de vista diferentes né Luis. O mundo fica mais interessante. Seja sempre bem vindo.

Como é bom dar uma sacudida na galera né? Arrebentou!

Que o post sirva, não somente pra exaltar os ânimos ou egos, mas pra mostrar que a fotografia mora na simplicidade. Pra mim tem gente com ferrari que vai na esquina comprar pão e nunca acelera de verdade, pra esses, uma bicicleta resolve. E tem muita gente que com uma bicicleta comum consegue desbravar as melhores trilhas! =) A diferença entre eles certamente não é como vão, mas sim por onde vão.

Uma máquina, por melhor que seja, não constrói o fotógrafo. E por mais “frase feita” que isso seja é a grande verdade. Só é uma pena que os fotógrafos não deixem o ego de lado, e vistam a simplicidade e humildade, que passem a se dedicar e entender a fotografia de verdade.

De nada adianta um arsenal de lentes, se a pessoa não consegue explorar o que cada uma oferece de melhor… assim como pouco adianta trocar o corpo da máquina, sem que a necessidade tenha batido a porta. E se gastou comprando, e tá com um arsenal, se joga na guerra, com estudo e disciplina!!!

E o grande perigo é esse né? a fotografia sendo banalizada pelos fotógrafos e não pelos consumidores. =)

Vini, quando disse que o post ia dar o que falar, imaginei que viria primeiro a avalanche de apoio, de fotografos que certamente percebem o quanto estamos carentes de arte. E ainda acho que virá a polêmica, daqueles que acreditam que o mercado fotográfico, especialmente de casamento, exige uma 5D com o combo “16-35, 24-70, 70-200…” e todo “esquema tático” digno de Copa. (com o técnico Dunga).

E que venha a polêmica, o debate e a revolução. =) Por mim, todo revolução leva a evolução, e aguardo ansiosa por isso.

O melhor de tudo? alguém disposto a dar a cara a tapa, mostrar que a fotografia nasce antes do clique, e além do equipamento. Bem além…

Que as pessoas percebam que as fotos acima guardam a essência da sua arte, do seu trabalho, Vinicus Matos. Com composição, enquadramentos, fotometrias e todo estilo que lhe é peculiar. E a fotografia é isso, a assinatura do artista. Com a g11 vc manteve ali seu manuscrito fotográfico… Isso que deve ser visto: onde mora a arte?! Arquétipos, simbolismos, simetrias, estilo e todos os detalhes que fizeram o resultado ser acima do que poderia ser (erroneamente) esperado de uma máquina amadora. E pra mim, o resultado óbvio: o olhar por trás da máquina é que faz a diferença.

Beijo,
Rafa

Rafa, adoro seus comentários. Vc deveria escrever mais, não aqui mas no seu blog. Vc recebeu dois dons, o de enxergar e o de escrever. Bjs e volte sempre.

Boa, Vinicius! Até o momento eu só lia fotógrafos falando a mesma coisa mas que continuavam a clicar com suas mark II, d700 e lentes top de linha.

Você falou e fez! Resultado nota 10! Como sempre.

Abraço e parabéns!

Muito bom, Vinícius!
Fico feliz em ver este post aqui! Quem sabe agora os fotógrafos com essa “doença” não resolvem se tratar?! rsrs!

Hoje mesmo eu comentei isso em um grupo de fotógrafos que participo, parabenizando o membro Frank Bitencourt [por sinal, ele que nos indicou este post] pelas excelentes fotografias que ele produziu em um dos nossos encontros! Ele levou uma compacta, e fez as melhores fotos! Aliás, parece-me que a câmera nem era dele. Era emprestada! E, ainda assim, fez fotos excelentes! Fiz questão de parabenizá-lo em público, para dar uma “cutucada” nos que sofrem da mesma doença: a tal “equipamentite aguda”.

No dia em que os fotógrafos se preocuparem mais em estudar fotografia, buscar novos ângulos, INOVAR, a coisa muda de figura!

Parabéns pelo post!

Lorena Nicácio

Parabéns Vinícius, excelente post e ótimo resultado!!!

Olá Vinícius.
Pra variar, achei fantástico o seu post.

Sou fotógrafa amadora há 3 anos. Trabalho com uma Sony W110 e sempre escuto os mais diversos comentários sobre as minhas fotos. Geralmente as pessoas elogiam e logo após indagam se elas foram feitas com uma compacta. Além de sempre repitir que não, não sei trabalhar com photoshop (ainda), só em programas similares e genéricos. Isso é bom e ruim ao mesmo tempo, mas é tema pra uma outra conversa.

Ao ler o seu post me recordei de duas situações que gostaria de compartilhar.

Recentemente fui à um casamento e, claro, fiquei de olho no fotógrafo.
Apesar de levantar a bandeira “as melhores lentes são seus olhos”, não pude evitar e critiquei o cara até não poder mais.
Ele carregava uma Sony semi-profissional. Não duvido da qualidade da câmera, mas duvido da qualidade do fotógrafo. A quantidade de flash que ele usou em momentos totalmente desnecessários me irritou.
Primeiro que flash não é a melhor iluminação do mundo. Segundo que, na hora mesmo, consegui emprestada uma Sony cyber-shot HX1 e fiz algumas fotos sem flash que ficaram ótimas.

A segunda situação é a seguinte: fiz freelance certa vez para uma agência de publicidade. Eu e mais duas pessoas fomos à uma fábrica de roupas fazer algumas fotos para o site da empresa. Levei minha compacta, claro. Uma outra pessoa levou uma câmera profissional.
Confesso que fiquei insegura com a situação, mas me lembrei que não é o equipamento que faz a foto, então, mantive a calma.
Durante a sessão senti sim um tom sarcástico em certos comentários por conta da minha presença, mas o resultado compensou qualquer coisa.
Simplesmente percebi que a pessoa que carregava a câmera profissional não tinha olhar. E modéstia a parte, comparando os dois trabalhos, boa parte das minhas fotos considerei totalmente aproveitáveis.

Quero sim, e muito, câmeras melhores. Mas o carinho que tenho pela minha compacta por tudo que aprendi com ela, não supera em nada câmeras profissionais.

Que seu post e sua visão incentive muitos outros fotógrafos além destes que te escrevem.
E tenho certeza que suas futuras descobertas serão tão magníficas quanto suas imagens.

Abraços.

Veja bem Gabriela…

Eu acho que se você é uma fotógrafa profissional é importante que invista em bom equipamento. O que critico aqui é a atitude de muitos profissionais e amadores que acham que equipamento é o principal diferencial. É diferencial sim mas não o número 1 deles entende? Obrigado e seja sempre bem vinda.

Abraços

Vinicius

Amei o post…é o que eu sempre digo..não é o equipamento que faz de alguém um bom fotografo, mas sim o bom fotografo com qquer equipamento que seja, faz, e faz mto bem feito! Parabéns!! Bjs

Repito aqui o que postei ao retwittar esse post: Mestre!!!
É só isso que tenho a dizer… Mestre pela qualidade do teu trabalho… Mestre pela sabedoria fotográfica (que acho que não é apenas extensão e reflexo de sabedoria de vida)
Parabéns, Vinicius! Sempre vou admirar teu trabalho como um todo… fotografia, resultado, conhecimento, sabedoria…
Abraços
Karina Kohl

Boa, Vinícius! Belo texto! Todos nós temos que nos cuidar para não sofrer de “equipamentite”. Eu ja sofri, mas consegui reduzir legal os equips e o peso carregado…

Oi Fabrício, acho que muita gente já sofreu/sofre principalmente porque a indústria colabora com isso através da divulgação de equipamentos que são lançados diariamente. É muito fácil se sentir inferior sem o último lançamento da sua marca preferida.

Abraços e volte sempre!

é cara é assim que é, sempre que leio teus posts, penso muito, e uma das coisas que já a algum tempo venho focando, é em me preocupar em fotografar e não em comprar novos equipamentos, a tempos atrás, pouco tempo, tava louco, eu quero uma 7D eu quero uma 5D mark 2, mas ai comecei a pensar, bom agora não vai dar, o que eu vou fazer então?
vou espremer a minha 50D até o talo, e desde então, venho tentando tirar o máximo do que já tenho, pq acredito piamente no que vc disse, não é equipamento que faz fotógrafo, e sim o fotógrafo que faz o equipamento funcionar…bom é isso parabéns mais uma vez pelo belo trabalho, espero muito conseguir fazer um wordshop seu ano que vem.
abraço.
Éric Cravo.

Éric, com certeza há uma diferença entre as imagens geradas por uma 7D e uma 5D MarkII que é superior. No entanto mais faz uma 7D na mão de um bom fotógrafo que uma 5D no poder de alguém que não tem a mínima noção.

Abraços e volte sempre.

Sensacional!!! A foto tá no olho, não na lente!
Ok, é preciso o mínimo de equipamento, é bom ter uma boa câmera, uma lente maneira… mas definitivamente tá no olho, no coração, na cabeça, na atenção!
Me surpreendo com fotos que fiz qdo só tinha uma cinquentinha e lá ia eu fotografar uma sessão e até um batizado todo com ela! Tirei leite de pedra!

Parabéns… aula, como sempre!!

Bjks, Beta

Oi Vinícius,
Seu artigo chegou após um dia em que pude presenciar, in loco, o efeito “equipamentite aguda”.
Ontem fui ao casamento do filho de um amigo (festa no play e sem igreja), depois de jurar que iria como convidada e não como fotógrafa – só levei minha 24-70, porque fotógrafo não é de ferro!!
Fotografei bastante…..com a alegria que as festas de amigos nos traz!!
Em um certo momento vi um rapaz fotografando com máquina com grip , tripé , sombrinha, para-sol, rebatedor e que só mais tarde soube estar fotografando ali por ser primo e querer ser um “futuro profissional”. Que havia ido a BH e comprado tudo o que tinha direito, e grana, e apregoava na família que fotografia se aprendia, de verdade, na prática e que não precisava de cursos ou livros.
Sofri os efeitos da doença! Vc não pode imaginar o olhar de desprezo que eu e minha Nikon, amada amiga de guerra recebemos quando passamos por ele…e eu ainda querendo puxar conversa!!!
Um cara arrogante que pelo visto não me achou merecedora de sua atenção, quando eu poderia , ao menos, indicar alguns bons livros ou cursos.
E o pior e que não podemos deixar de reconhecer também – o pessoal todo achando que as fotos, COM TODA CERTEZA, sairão maravilhosas por conta daquele aparato todo!!!! Me preocupa também o público que se deixa levar pelo aparato que o “fotógrafo” apresenta…..NÃO CONCORDO COM ISSO, mas será que a doença está aparecendo em razão do valor que os clientes dão ao porte dos equipamentos?
Trabalho com um cinegrafista e conversamos muito a respeito disso. Ele diz que se aparecer com uma câmera pequena em uma festa, que os novos contatos ficam reduzidos a metade, ainda que o vídeo fique excelente!
Te peço desculpas mas o assunto é, realmente, polêmico e ontem mesmo aconteceu isso comigo!!!
Grande abraço, felicidades, parabéns e saúde para curtir a MARAVILHA que é fotografar!!!

Mestre, parabéns pelo post mais uma vez.
E sempre falei com meus amigos e alunos no curso de Jornalismo que mais vale uma câmera medíocre em mãos Valiosas do que uma câmera valiosa em mãos medíocres e seu post confimou isso.
Abração.
Bruno Guimarães

que maravilha =D rs
quando se esta começando, a pior coisa é ser rotulado pelo seu equipamento
e não pelo conhecimento que se possui, magnifico Post mestre. Parabens!

Admirava vc como fotografo, agora como “Vinicius”….
Por causa de uma cam não tão “profissional”, fui recusada numa dessas escolas “de nome”, onde me disseram que eu nunca poderia aprender com uma “câmera destas”. Na época eu não podia comprar uma 5D ou qualquer outra e tinha medo de investir sem ouvir de alguém que eu realmente seria capaz de ser uma boa profissional.
Levei um balde de água fria tão grande que quase desisti. Até que uma amiga indicou outra escola; o professor qd ouviu minha história, ficou bege, e me disse algumas coisas que vc citou aqui.
Nunca vou esquecer esse professor, q me ajudou a confiar, me fez mais apaixonada por fotografia e querer aprender e melhorar sempre.
Sou maluca por tecnologia, mas não tenho disponibilidade financeira suficiente para o que eu gostaria, então tento me superar todos os dias e encontrar o melhor ângulo, a luz mais apropriada, a emoção mais genuína.
Obrigada pelo post, pela sinceridade e humildade. isso é ser um grande fotografo.

Mas, Vinicius, que ISO você usou na G11?
hehehe eh brincadeira, não resisti. 🙂
Gostei da proposta.
Bj

EXCELENTE POST!

isso serve para desbancar a máfia psicologica da comparação de equipamentos. Muitos fotografos olham somente para o equipamento, até as vezes subjulgando um companheiro, somente pelo fato de seu equipamento ser inferior.

Levem em conta o resultado!

parabens pela iniciativa. vc tem feito diferença na fotografia mundial. vai fazer historia.

Pra os infectados pela equipamentite um passo atrás. Mas para quem entende oq realmente é fotografia é um passo imensurável, poder fazer essa experiência e alcançar esses resultados. Realmente a gente passa por isso e as vezes ficamos em dúvida sobre oq fará mais diferença no nosso trabalho… aquela câmera lançamento ou um esforço para descondicionar o olhar e ver outras coisas. Parabéns pela iniciativa, fotografia é bem mais do que equipamento. Grande abraço!

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

FECHAR MENU