MENU

Por Livia Capeli (Texto) e Vinícius Matos (Consultoria e Fotos) – Foto do álbum: Henrique Ribas

Vinícius Matos fala dos erros mais comuns na criação de álbuns em estilo de livros e dá dicas para quem deseja se sair bem no assunto.

Os fotolivros viraram febre no mercado fotográfico. São um suporte impresso usado para valorizar e apresentar fotografias de maneira personalizada, a preços razoáveis e com acesso fácil. O cliente seleciona as fotos que farão parte do álbum, o fotógrafo as diagrama no micro, envia a prévia ao cliente para aprovação e o livro então é entregue. Algumas vezes, a aparência do produto acaba chamando mais a atenção do que as próprias imagens contidas nele. Nem sempre a diagramação é realizada de uma forma consciente, por falta de conhecimento ou de experiência de quem monta o fotolivro.

O expert em fotografia social Vinícius Matos lembra que um álbum de fotografia tem um importante valor como documento familiar e, por conta disso, precisa ser resistente o bastante para suportar a força do tempo e ter um desenho atemporal e minimalista para não sair de moda facilmente. Uma das indicações é se perguntar: “No futuro, daqui a 20 anos, o meu álbum será considerado cafona?”. Há muitos erros comuns ao criar fotolivros. Vinícius separou uma série deles e dá dicas para que fotógrafos não errem mais na diagramação do álbum.

1) Falta de coerência nas lâminas do álbum

A lâmina de um álbum é composta por duas páginas abertas, que formam um conjunto e devem estar em harmonia. Não misture fotos P&B com imagens coloridas nas mesmas lâminas.

2) Excesso de imagens por lâminas

Alguns fotógrafos, seja por inexperiência ou por economia de espaço, permitem que os clientes encham as páginas do álbum com muitas fotos. Isso acaba gerando um efeito, chamado por Vinícius de “história em quadrinhos”. Ou seja, aquele monte de imagens, uma ao lado da outra, que só poluem a leitura e não geram atrativo visual.

3) Usar a ferramenta de diagramação inadequada

Atualmente o software mais indicado para diagramar álbuns é o Adobe Indesign, por ser mais prático e automatizado. O Photoshop já foi o mais usado, entretanto, Vinícius afirma que com o Indesign ele passou a produzir o dobro de álbuns. “Utilizar o Photoshop para diagramar álbuns é bater prego com alicate. Pode até dar certo, porém, o trabalho é árduo e demora mais”, afirma.

4) Fotos sobrepostas ou tortas

Uma foto em cima da outra ou torta não é sinônimo de charme ou modernidade. “Vulgariza e empobrece o trabalho. Museus e galerias não expõem quadros um sobre o outro nem os deixam tortos nas paredes. Trate seu trabalho com o mesmo valor de uma obra de arte”, sugere Vinícius Matos.

5) Textos com fontes de difícil leitura

Fontes rebuscadas, cheias de rococós, podem ser atraentes à primeira vista. Entretanto, são uma cilada, pois tornam-se cansativas e ultrapassadas. Opte por fontes limpas, clássicas e atemporais.

6) Posicionar o rosto dos fotografados na dobra

Sempre que optar por “estourar” uma imagem em páginas duplas, preste atenção para não deixar alguma parte importante da foto no meio da dobra. Em se tratando de fotos de pessoas, um braço ou uma mão no meio do vinco pode até ser permitido, mas fazer o mesmo com o rosto é proibido.

7) Excesso de imagens semelhantes

É o tipo de problema que acontece principalmente quando o cliente escolhe muitas fotos. Peça permissão a ele para retirar as imagens parecidas. Explique que a prioridade é fazer um álbum bonito e não um repleto de fotos com cenas repetitivas.

Dicas para um álbum de sucesso!

1 – Evite diferenças no alinhamento das margens superiores e laterais na mesma página
2 – Evite dispor próximas entre si fotos coloridas que tenham balanço de branco, contraste e saturação diferentes
3 – Cuidado com imagens em P&B. Diferenças de contraste e saturação podem aparecer quando se usa mais de um preset de tonalidade

8) Usar fotos com menor opacidade como fundo

Para Vinícius, fotografia em menor opacidade não é fundo. Imagem usada como fundo da página tira força das fotos em primeiro plano. É uma competição desnecessária.

9) Usar fundos muito coloridos

Fundos muito coloridos cansam a visão e competem em atenção com as fotos. Opte pelo branco e os tons neutros. Eles são mais clássicos, mais nobres e mais atemporais. Priorize sempre os lisos, sem texturas ou efeitos.

Duas dicas essenciais na hora de diagramar um fotolivro: atemporalidade e minimalismo

10) Ampliar fotos que não merecem destaque

Cuidado para não ampliar imagens de pouca importância e diminuir o tamanho de fotos muito interessantes. Vale pensar bem naquilo que merece ter destaque nas páginas.

11) Enviar PDF do álbum para alteração

Quando você envia um arquivo em PDF do álbum para alteração, o cliente subentende que deve alterá-lo. Então, trate-o, a partir de agora, como “PDF de aprovação”. Isso fará bastante diferença na sua rotina.

12) Não impor limite ao número de alterações

Estipule em contrato um número máximo de alterações para o cliente. Se você instituir uma taxa de cobrança para alterações que extrapolarem o limite, os álbuns passam a ser aprovados mais rapidamente.

13) Iniciar ou finalizar o álbum com imagens medianas ou ruins

O álbum fotográfico é como um livro: precisa sempre ter uma capa (ou primeira página) com uma imagem de impacto. Ele também deve terminar causando uma boa impressão.

14) Usar bordas nas fotos

Bordas envolvendo as imagens logo saem de moda e podem dar um aspecto pesado ao layout do álbum.

15) Uso de texturas no fundo das páginas

É como usar as cores: as texturas sempre acabam “brigando” com as fotos e podem chamar mais a atenção do que a imagem principal.

16) Dar ao cliente muita liberdade de alteração do layout

Quem é expert em fotografia e design são os profissionais destas áreas. Procure um equilíbrio entre seu estilo e as alterações que os clientes possivelmente queiram fazer.
Uma dose de flexibilidade e bom senso não faz mal a ninguém, mas seja firme para não ter o seu estilo (ou álbum) desfigurado.

17) Usar legenda nas imagens

Incluir textos explicando imagens ou dar títulos como “Making of”, “Cerimônia” e “Recepção” é desnecessário. Boas fotos não precisam de legenda.

18) Colocar sombra nas fotos

Assim como as molduras, os sombreados são modismos, que tiram a força das imagens.

19) Fazer fusão de imagens

Mesclar imagens tende a deixar o projeto com aspecto artificial.

20) Não oferecer páginas extras ao cliente

Quando o cliente escolhe mais páginas além daquelas previstas em contrato, você não precisa limitá-lo dizendo que só é possível fazer aquela quantidade exata. Aproveite a oportunidade para vender lâminas extras. É bom para o bolso e também uma oportunidade de contar uma história mais detalhada do evento.

Evite o efeito “história em quadrinhos

Use poucas imagens por lâmina. Quanto maior a foto, maior será o impacto. Estipule no seu contrato com o cliente um limite de imagens por lâmina (até seis fotos é um bom número). Dessa maneira, você vai diminuir a poluição visual nos seus álbuns e vai perceber com o tempo que novos clientes vão surgir atraídos pela forma como você diagrama seus álbuns.

Comentários

Vinícius, esse foi o post mais completo e com dicas mais válidas sobre diagramação de álbuns que encontrei na internet. Tudo que vc citou vai 100% de encontro ao que eu acredito que deve ser considerado na hora de diagramar. Eu até apliquei isso em um aplicativo que criei pra facilitar a diagramar e aplicar a maioria desses conceitos (estou tentando melhorá-lo pra aplicar o máximo do que acredito) Seria muito legal ter sua opinião sobre ele. Se animar de dar uma olhada, o endereço é http://albumbox.com.br . Abraço!

Valeu Vinícius!
Até agora não fazia as minhas próprias diagramações mas não estava contente com os resultados,
mas com estas dicas acho que vou fazer as minhas próprias!
valeu.

Prezado Vinícius,

Parabéns pela matéria publicada, excelente trabalho.

Acaba sendo um diferencial o bom gosto e a elegância do layout.

Parabéns pelas informações muito precisas.

Gostei muito das dicas gostaria de saber quando terá outro workshop em São Paulo.

Parabéns pelo post!!
Dicas excelentes!
Abraços,
David

Adorei as dicas, diagramo o fotolivro dessa forma SEM TIRAR E NEM POR mas é um gosto peculiar meu, ja atendi cliente que prefere o fundo com cores, e outra que me pediu para fazer um PRETO E BRANCO com uma parte em especial em colorido ( que era um pirulito ), gosto de explicar esses detalhes para os clientes mas mesmo não me agradando tenho que fazer com que eles gostem né… rs muito boa as dicas

Preciso de dicas de “fontes limpas, clássicas e atemporais”. E parabéns pelo post, bem interessante e importante!

Olá, adorei todas as dicas. Ainda não realizei nenhum trabalho com fotolivro, porém pretendo fazê-lo em breve.Gostaria de saber se teria um modelo contrato para me enviar…um abraço
Leila Bomfim

Bom dia,

Estou começando agora a aprender trabalhar com o In Design.
É possível confeccionar o álbum e imprimílo em fotos normais ( em laboratórios) sem que seja fotolivro?

Obrigada

É possível alterar o álbum depois de pronto, substituindo uma lâmina?

Parabéns pela forma que expôs suas dicas em relação a diagramação, tenho certeza que jamais esquecerei, mais uma vez meus parabéns, curti muito! 😀

Excente dicas. Quero fazer um curso com voce pode enviar programacao sou de Goiania.

Eu tenho uma empresa de diagramação, que presta serviço para uma grande encadernadora da minha cidade e te digo com firmeza que o problema é quando o fotógrafo dá liberdade demais para o cliente dele opinar na diagramação.
O próprio fotógrafo não entende nada de design de álbuns e não consegue convencer o cliente dele de que certas coisas são completamente inviáveis ou descabidas.
Me pedem coisas ABSURDAS, como colocar foto vertical, em uma lamina horizontal inteira, sem cortar a imagem.
Insistem que tem “muito espaço em branco na lamina”, quando você tenta fazer um álbum clean.
Adoram uma borda.
Olha, é triste.
Não há talento e nem conhecimento em design que resista.
E eu moro em uma metrópole, tá?
Não é nenhuma cidadezinha rural com 3 mil habitantes…

It’s remarkable for me to have a web page, which is useful for my experience.
thanks admin

Boa noite!

Estou iniciando na profissão de fotógrafa. Estou diagramando o meu segundo trabalho e estava Vou entrando em vários erros citado por você.

Obrigada pelas dicas! Vou rever o meu trabalho.

Já havia notado, mesmo que de leve, as desnecessariedades das bordas sombreadas mas insistia no erro, e ainda estava procurando um fundo colorido, quando dei de cara com esse essas dicas, vou repensar meu projeto,obrigado pelo “help” na hora certa.

Gostei muito das fotos, mas não gosto de todas as dicas. Álbuns com um monte de “quadrados” não me atraem muito. Gosto de uma leve(bem leve) textura usada como fundo, e acho que algumas fusões de imagem são validas. No mais gostei do post. Parabéns

Amei as dicas, obrigada! por compartilhar conosco.

Creio que o que devemos entender é que um álbum geralmente expressa o sentimento do diagramador ou designer sobre aquele trabalho, entretanto, geralmente não correspondem ao desejo do cliente, por exemplo, fotos com bordas não chegam a ser o fim do mundo, se o CLIENTE quer, não existe motivo por que entremos em um embate…pergunte se uma outra versão pode ser elaborada para seu portfólio e etc….

Excelentes Dicas.
Só discordo com a 19, uma fusão BEM FEITA acrescenta muito para um album. Mas tem que ser bem feita mesmo, e depende muito das fotos que vai utilizar.

Rosemeire Cardoso

Adorei as dicas, muito obrigada. Na hora de diagramar meus álbuns eu procuro tomar muito cuidado justamente nesse sentido de que fique um trabalho bacana sem ficar brega, cafona, cansativo e até mesmo feio. O álbum é pra vida toda não é ocasional. Valeu pelas dicas.
Rose

Adorei o artigo, me será muito util. Obrigada.

Parabéns pelas dicas muito importante para nosso trabalho…..

excelente!!! valeu pelas dicas…. tinha muito erro no meus albuns…..

Olá, adorei a matéria e achei muitos pontos importante,
mas trabalho nesse ramo e digo que a maioria dos meus clientes preferem fundos coloridos com imagens com molduras e etc…

Boas dicas.Mas quem trabalha na área sabe,que a realidade brasileira é bem diferente.A casais que pedem para alterar o fundo de branco para preto,outras para branco,umas querem arabescos,fundo com imagem com menor opacidade.Acredito que álbum é personalizado e como tal manda quem paga, podemos até interferir esclarecendo algumas informações com centro,da página corte da foto em dobra,bordas etc mas quando se permiti o cliente alterar não tem jeito o trabalho final passa sim a sofrer alterações.Eu tenho meu estilo e procuro passar ao cliente o que acredito como certo,mas a cada dia o meu certo muda,como hoje lendo este post.Acho que também vou imprimir as dicas e mostrá-las aos casais , e fotográfos.
abçs

SENSACIONAL!!!

Valeu Vini!
Excelentes dicas! Sempre contribuindo com o crescimento de nossa fotografia!

Ainda que eu já tivesse alguma noção de composição e equilíbrio, estava cometendo algumas destas gafes e considerando outras. Muito obrigado por compartilhar conhecimento.

Muito bom o post. O clássico nunca sai de moda. Menos é sempre mais. Já trabalhava com esta tendência, mas confesso que nem sempre usava todas.

Muito boas as dicas porém há sempre as clientes que exigem firulas e mesmo você tentando convencer do contrário acaba fazendo como ela deseja… porém gosto de em alguns casos usar fotos com baixa opacidade como fundo, do restante concordo com tudo, sem excessos é claro.

Não sei até onde vai esse modismo estou a 12 anos editando álbum e sempre algo diferente, sei que nesses 12 anos já fiz de tudo sempre encantando clientes.
Agora eu pergunto qual vai ser a nova ?

Tenho clientes de varios gostos. Acho que além de colocar a suas idéias, o que cliente gosta é fica em primeiro lugar.

Crie faça com amor que tudo da certo.

Fernando Cesar Leopoldino

Parabéns!
Muito boas as informações, esclareceram muitas duvidas. Vinícius admiro muito seu trabalho e suas disposição em ensinar.
Obrigado.

Vinícius,
Meus primeiros álbuns eram assim: fundo branco para realçar imagens mas a pedido de alguns clientes e sugestão de colegas, acabei mudando para fundos com textura e cores, embora prefira os fundos brancos e neutros.
Vou repensar tudo a partir do meu próximo trabalho.
Muito obrigada por compartilhar essas dicas!!!
Grande abraço
Marta

Bom em partes concordo com algumas dicas porém como a dica de numero 18 contradiz a dica de numero 7 de não usar imagens semelhantes,, então o que vale é o fotógrafo usar com coerência as dicas para apenas orientá-lo e não induzir a seguir o mesmo método de trabalho de outro profissional,,, exemplo disso é a regra dos terços,,ela serve apenas para orientar e não como único meio de registrar fotos,, já imaginou o cliente vê o album e diz,,,,,tá igual do fotógrafo tal!! seje livre,,crie,,,faça melhor,,,evolua,,,busque sempre,,, deixe a sua marca,, até mais….

Tenho uma dúvida! Eu posso usar fundos “clean”, clarinhos,com listras leves em algumas páginas ou não se usa mais isso?

Muito bom! Pena que na empresa onde eu trabalho a regra é simples: O cliente é quem manda. Isso significa fazer tudo o oposto do que tem aqui.

Boa Tarde!

As dicas do Vinícius, são todas ótimas, seus artigos são bem elaborados, e coerêntes aos assuntos pertinetes ao que tange a Fotografia hoje no Brasil. Seus conceitos são extremamente cuidadosos, e pobre do Profissional que não levar a sério suas dicas.

Estou sempre me atualizando de suas dicas, seus artigos, pois sei que é um Profissional exemplar, assim como outros de reputação identica. Temos que nos atentar aos Profissionais de sucesso, para então agregarmos “qualidade” e “valor” aos nossos servoços prestados, assim deixando o Cliente satisfeito com o resultado final.

Parabéns Vicícius, lhe admiro como Profissional que é. Com certeza terá somente sucesso em tudo o que fazer, porque você faz por Amor.

Um forte abraço;
Michelangelo R. de Oliveira.

Achei mito bom,esse comentario vou colar no mural.Parabens pelo artigo,adorei.

Mais uma vez, um artigo fantástico!!! Direto, didático e extremamente útil.
Parabéns mais uma vez!!! Obrigada por nos ensinar tanto!!!

Excelente artigo Vinicius, bem objetivo. Os clientes poderiam ler esse artigo tbm, no geral eles adoram excessos…rs
Parabéns pelo trabalho!

Olá,

Achei esse artigo extremamente interessante e quando terminei de ler, pensei que seria ótimo tê-lo impresso para poder mostrar aos clientes. Acredito que 90% dos clientes fazem alterações e a grande maioria pede justamente por aquelas que não “devem” ser feitas, como pelo uso de molduras, fundos coloridos e várias e várias fotos juntas em uma única lâmina (essa última é a mais pedida!). Quando dá pra convencer a mudar de ideia e não colocar todos esses excessos, fico aliviada e feliz com o meu trabalho. Mas é uma missão árdua, pois nem sempre eles aceitam nossa sugestão para um álbum visualmente limpo.
Parabéns pelo artigo, admiro seu trabalho e espero ver mais tópicos sobre diagramação.

Alexandre do Amaral

Obrigado mestre Vinícius Matos! Com certeza uma aula de diagramação. Confesso que no começo é assim mesmo, fotos tortas porque achava bonitinho, imagens como fundo e bordas! ah! as bordas…! Você esqueceu só de colocar “aquelas fotos com cor seletiva” geralmente o buquê da noiva” kkkk. Parabéns pelo post.

Excelentes dicas. Gostei mesmo! Obrigado…

Muito elucidador o post, obrigado pelas dicas de ouro.

Olá, gosto muito das dicas e orientações que vc nos dão, quero receber por e-mail. Obrigada.

Muito obrigado pelas dicas, eu cometia alguns erros.

Vera Lucia Barrionovo Méo

Vinícius,
Excelente as suas “dicas” para diagramação de fotolivros! Foram elaboradas de modo tão didático que facilita muito o trabalho do fotógrafo! Parabéns e votos de muito sucesso!
Vera

Bom artigo Vinicius. Menos é mais! Sempre!!!

Dicas excelentes como sempre. abç

Muito boa as explicações e dicas. Aprendi e muito já que estou iniciando nesta área. Gostaria de saber como conseguir um modelo de contrato. Conto com ajuda. Obrigado.

Excelente aporte Vinícius… es de gran ayuda a la hora de trabajar en nuestros photobook!!

Diagramação é assim, limpa e objetiva. Gostei muito das dicas.

Muito bom, estava precisando ler essas dicas.
Grato,

Excelentes dicas. Gosto do seu estilo de design minimalista. tento seguir algo parecido. Só preciso aprender InDesign. Antes utilizava o Lightroom, mas o Blurb deixa a desejar. Hoje estou usando o D-Book Pro da Digipix, mas acho meio quadrado. A saída é partir pro InDesign mesmo..

Brilhante artigo Vinicius, as suas dicas têm me ajudado bastante. Obrigado por esse trabalho de instrução e por estimular a melhoria do mercado.

Abraços.

dicas maravilhosas adorei serviu de grande ajuda parabéns pelo seu trabalho

Gostaria de saber quando vai ter curso de fotografia ?

É por isso que sempre digo: ” quanto mais sei, ai é que sei que não sei”
Valeu Vinicius.

EXCELENTES INFORMAÇÕES, ME AJUDARAM A ESCLARECER MUITOS PONTOS. PARABÉNS E POR GENTILEZA CONTINUE A POSTAR INFORMAÇÕES DESTA NATUREZA

Adorei isso! Preciso dar um jeito de investir em um de seus Workshops. Valeu!

Dicas excelentes. Já pequei em vários desses quesitos no passado. Hoje faço tudo mais clean!

Valeu por compartilhar, Vinicius!

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

FECHAR MENU